Tradutor

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

EXPLOSÃO HOSPITAL DE CHAVES

Tudo aconteceu pelas 14h00. O rebentamento de um ‘Bipap’ – aparelho instalado nas garrafas de oxigénio para auxiliar a ventilação – provocou queimaduras na mão de um enfermeiro e lançou o caos. "Foi um estrondo que parecia uma bomba", contou ao CM uma testemunha.

"Ouvi o enfermeiro a gritar muito e a sair da sala com a mão e roupa queimadas, mas não ouvi explosão nenhuma", relatou, por seu turno, a utente Delfina Pereira, acrescentando que se gerou uma "grande confusão" na sala de observações, porque toda a gente queria sair ao mesmo tempo.

"Nenhum dos utentes foi afectado. Foi activado o plano de emergência e, em minutos, retiraram-se todos os doentes das salas", salientou Carlos Vaz, presidente da Administração do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, que assegura que estavam apenas dez utentes naquele espaço.

"Esta urgência é uma vergonha", critica Alzira Morais – no local a aguardar informações de um tio que estava hospitalizado na sala onde se deu o acidente – sobre o facto de as Urgências funcionarem em instalações provisórias desde Junho de 2011.

Alexandre Neves, enfermeiro de 38 anos que sofreu queimaduras na mão esquerda, foi transferido para Gaia.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário